Loading...

quarta-feira, 1 de abril de 2015

ATX-BA - Varela critica a falta de medicação para transplantados na Bahia.

18/03/15 às 09h16 - Atualizado em 18/03/15 às 11h28

OPINIÃO! Varela critica a falta de medicação para transplantados na Bahia

Falta de medicamento específico pode levar pacientes à morte
Gabriela Gidi
gabriela@varelanoticias.com.br

Na manhã desta quarta-feira (18), o apresentador Raimundo Varela, criticou, durante o programa Balanço Geral, a falta de medicamentos para alguns pacientes transplantados no estado. O apresentador chamou a atenção do governador da Bahia e do secretário de saúde, Fábio Vilas Boas, para que esse problema seja imediatamente sanado.
Segundo Varela, que é bitransplantado, a falta desse medicamento específico, pode acarretar na rejeição do órgão, pelo corpo do paciente, e assim, o transplantado acaba morrendo. O apresentador fez um comentário esclarecendo esse fato, leia a seguir:
“Queria chamar a atenção do governador Rui Costa, do secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas Boas, porque na Bahia tem mais de mil pessoas na fila esperando transplante renal.

Mas antes de conseguir o doador compatível, o paciente tem que enfrentar hemodiálise, em média três vezes por semana, eu passei por isso.

Depois do transplante, o uso de medicamento contínuo é para mantê-lo vivo, se não tomar, morre. Eu estou fazendo uma confissão aqui. Se faltar para mim meu medicamento, acabou Varela. Meu organismo vai rejeitar meus órgãos novos e eu vou pro ‘beleléu’. Todo mundo vai um dia, mas não tenho pressa.

Na Bahia, a falta de medicamentos distribuídos gratuitamente na rede pública, preocupa os transplantados e a família deles. Eu sou o oitavo bitransplantado brasileiro e posso falar disso com autoridade. Para mim, nunca faltou, não vou aqui falar bobagem.

Agora, a questão, viu doutor Fábio Vilas Boas, é suprimento. O senhor já ouviu falar disso? Qual é a média mensal de consumo desse medicamento, qual é o prazo de entrega do laboratório? Quanto o senhor precisa de estoque mínimo desse medicamento? Isso é como leite, pão, café, arroz e feijão. Não pode faltar. Se não, o corpo expulsa os órgãos que foram colocados.

Não é que não deva faltar. Não pode! Porque cada medicamento que faltar, o Estado, a União, serão responsabilizados pela morte desse paciente. E esses erros não tem perdão. 

Chamar a atenção do secretário de saúde para priorizar isso. Que assim, o senhor vai se dar mal. Cadê a medicação? Eu sou formado em suprimento, posso dizer como fazer.
Primeiro, tem a estatística. Veja quantos pacientes tem, tem que manter estoque mínimo para, no mínimo, seis meses. Será que ele sabe o que é estoque mínimo? Será que sabe o que é média de custo? Tem que fazer conta: isso não pode faltar! Pode faltar tudo, menos isso. Até porque, essa medicação você não compra em farmácia. É proibida a venda. Esse medicamento é da verba da saúde do governo federal, e é responsabilidade dos estados e municípios a distribuição.”
  
FONTE: http://varelanoticias.com.br/opiniao-varela-critica-a-falta-de-medicacao-para-transplantados-na-bahia/