Loading...

terça-feira, 9 de setembro de 2014

ATX-BA - INFORMANDO: HOSPITAL ESPANHOL FECHA PORTAS PARA ATENDIMENTO

Lamentável o fechamento do Hospital Espanhol. A Saúde na Bahia só tende a piorar com menos 300 leitos para os pacientes que precisam de atendimento hospitalar, sendo 60 leitos de UTI adulto e 12 de UTI Neonatal.
 
Os pacientes de hemodiálise estão com suas vidas ameaçadas, pois, não há vagas de hemodiálise nas clínicas conveniadas ou não pelo SUS. Pacientes morrem sem ter acesso à hemodiálise.
 
Os pacientes transplantados na Unidade de Transplante de Rim terão sérios problemas no seu atendimento:  consultas, exames, onde pegar a receitas dos medicamentos que evitam a rejeição do órgão transplantado e o mais grave ficarão sem hospital de retaguarda para internamento, além de perderem seus médicos que o acompanham desde a realização do seu transplante.
 
Toda a sociedade deve se mobilizar juntamente com as autoridades competentes.
 
LUTO PELO FECHAMENTO DO HOSPITAL ESPANHOL
ESPERAMOS QUE HAJA UMA SOLUÇÃO A CURTO PRAZO.
 
ATX-BA 
 
 
BAHIA NOTÍCIAS/SAÚDE
Terça, 09 de Setembro de 2014 - 14:00

Hospital Espanhol fecha portas para atendimento

por Francis Juliano
Hospital Espanhol fecha portas para atendimento
Foto: Reprodução
A liberação dos últimos pacientes do Hospital Espanhol na manhã desta terça-feira (9) encerrou o atendimento na unidade de saúde. Segundo o diretor do corpo clínico do hospital, Djean Amorim, com o fim das atividades, a cidade (e o estado) perdem 270 leitos, sendo 60 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto e 12 de UTIs pediátricas. "O problema é que não há nenhuma movimentação para resolver isso", lamentou Amorim, que trabalha há 20 anos no local, em entrevista ao Bahia Notícias. O único setor que não foi atingido é o de hemodiálise, mas mesmo assim não há garantia de que também sobreviva. Uma reunião nesta quarta-feira (10) no Ministério Público Estadual (MP-BA) vai discutir a crise do Espanhol, com a presença do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed-BA). Em 2013, um acordo entre o Estado (Desenbahia), a Caixa Econômica Federal e o Espanhol estabeleceu um plano de reestruturação financeira para salvar a unidade, mas mesmo assim não houve resultado. Dos R$ 107,6 milhões, o hospital recebeu R$ 82 milhões e ficou impedido de receber o restante por critérios exigidos pela Caixa. Segundo Amorim, funcionários e médicos continuam sem receber salários.